Os 3 aspectos sobre incentivo fiscal que você deve conhecer!

Você certamente já deve ter ouvido falar em incentivo fiscal. Muitas pessoas associam esse termo, exclusivamente, às empresas e empresários que se utilizam do benefício para reduzir legalmente a sua carga tributária.

Entretanto, uma pessoa que pretende investir também pode se beneficiar dessa ferramenta. No artigo de hoje mostraremos 3 aspectos sobre o incentivo fiscal que você deve conhecer. Acompanhe!

1. O que é incentivo fiscal e como ele funciona?

Incentivo fiscal é um instrumento utilizado pelo governo para reduzir ou suprimir impostos para apoiar determinadas atividades ou alguns tipos de investimentos específicos. É muito comum encontrarmos esse termo no âmbito empresarial.

Entretanto, trazendo para o mundo dos investimentos, podemos perceber que existem alguns benefícios para o investidor. Essencialmente, o governo abre mão de uma parte ou de todo o imposto gerado na rentabilidade de determinados ativos. Como alguns deles são destinados a custear ações que podem aumentar a infraestrutura do país ou investir no próprio território, o governo ganha, mesmo que indiretamente, ao utilizar ou permitir que a iniciativa privada utilize esse incentivo para investir no próprio país.

2. Como conseguir o incentivo fiscal?

Podemos verificar o incentivo fiscal de maneira bem clara nos planos de previdência privada PGBL. Quem faz um investimento como esse pode deduzir até 12% da sua renda tributável anual, pagando menos Imposto de Renda ao Governo Federal. Para conseguir esse tipo de incentivo, o investidor deve transmitir a sua declaração de IR pelo modelo completo e os valores investidos em PGBL devem ser informados no documento em uma ficha específica.

Outros incentivos fiscais para investidores são muito simples de serem obtidos, bastando que a pessoa adquira um título que não tenha a incidência do IR, como são a Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e o Certificado de Depósito Bancário (CDB).

3. Quais são as vantagens que ele pode proporcionar?

A principal vantagem, sem dúvidas, é a redução no pagamento dos tributos. Eles podem comprometer severamente a rentabilidade de uma aplicação, portanto, é necessário estudar o tempo e o valor que será investido e o título que proporcionará o maior ganho ao final do período.

Algumas pessoas optam diretamente por aplicações que não têm a incidência do IR, como os que mencionamos anteriormente, entretanto, essa escolha não deve ser feita apenas analisando a isenção do tributo.

É necessário conhecer os incentivos fiscais destinados a outras modalidades de investimento e verificar se, mesmo com a aplicação da alíquota do imposto de renda, o investimento selecionado proporciona uma rentabilidade maior que aquelas que não são objeto de tributação do Governo Federal.

Assim, você não se engana e garante uma rentabilidade maior em determinadas aplicações, mesmo que elas tenham a incidência do IR e possam contar com um benefício fiscal da forma que mencionamos neste artigo.

Por fim, podemos concluir que o incentivo fiscal é uma excelente opção para quem quer investir e gastar pouco com os tributos cobrados pelo governo e que são aplicados ao rendimento de um investimento.

Gostou do artigo de hoje? Que tal ficar por dentro de todos os conteúdos que postamos a partir de agora? Então, curta nossa página no Facebook. Assim, você não perde nenhuma nova postagem!