Aprenda 4 dicas para ensinar educação financeira para crianças

Segundo a Confederação Nacional de Comércio (CNC), o endividamento e inadimplência no Brasil caíram para 60,3% em novembro. Mas, ainda que seja um avanço, seu número é alarmante, e só reforça a importância de oferecer uma educação financeira para crianças.

Serão delas o futuro nesse país, e, para que elas não cometam esses mesmos erros, criar a consciência e o pensamento crítico sobre gastos e investimentos é essencial.

Já consegue imaginar seu filho investindo na bolsa de valores antes dos dez anos? Se ele assim quiser, tudo bem. Mas antes de chegar lá, é preciso começar com algumas noções básicas de finanças. Continue a leitura para saber como ensiná-las.

1. Crie objetivos financeiros junto com seus filhos

Crianças pedem todos os tipos de brinquedos e passeios a todo momento e esse é o único esforço que elas entendem que é preciso fazer.

Um dos primeiros passos é associar seus ganhos com um esforço importante, como manter o quarto arrumado, reduzir o tempo de banho ou abrir mão do lanche na escola por uma merenda preparada em casa.

Assim, se seu objetivo é ter um novo skate no final do ano, ele saberá quais medidas serão necessárias para alcançá-lo.

2. Ensine educação financeira para crianças com brincadeiras

Não é atoa que as escolas usam brincadeiras para repassar ensinamentos importantes. O lúdico é uma das linguagens mais eficazes para as crianças, que podem usar sua criatividade e serem engajadas por desafios.

Assim, criar um jogo para entender como funcionam os juros, usar recursos visuais e atividades para falar sobre economia e até o bom e velho cofrinho podem ajudar.

É preciso lembrar que até mesmo questões matemáticas fazem parte desse universo, e quanto mais envolvidos eles estiverem com esses conhecimentos, melhor para seu aprendizado financeiro.

3. Faça com que elas entendam o valor real do dinheiro

Outra cena típica de crianças e sua relação com o dinheiro é a forma como elas entendem o uso do cartão de crédito.

Para elas, a ausência das cédulas é facilmente compensada pelo cartão de crédito, e que eles não apresentam limites de gastos. Ou seja, é preciso que elas entendam o valor do dinheiro, assim como o conceito das outras modalidades de crédito.

Mostrar a forma como os pais ganham dinheiro, quanto custa sua escola, materiais e brinquedos, por exemplo, é muito importante para sua conscientização.

4. Permita que elas tomem decisões de compra

Avançando nas dicas e considerando que eles já consigam poupar um pouco de dinheiro, deixe que seus filhos façam escolhas de compras, como investir em um produto ou continuar juntando para adquirir outro mais desejado.

Ao ter que decidir entre uma bola de futebol hoje ou um novo jogo para seu videogame no final do ano, a criança entende que é preciso fazer escolhas de forma mais estratégica, pensando no que será mais interessante no futuro.

Com esses princípios internalizados, muito provavelmente seus filhos não estarão engrossando as estatísticas dos endividados, não é mesmo?

E a parte boa, como pode ser entendido com essas dicas, é que não é difícil ensinar educação financeira para crianças, elas não têm vícios ou influências que podem afetar suas decisões relacionadas à economia e investimentos.

Quer mais dicas para repassar aos seus filhos ou até mesmo reprogramar sua maneira de enxergar seus investimentos? Então curta agora mesmo nossa página do Facebook para acompanhar nossas novidades ou conecte-se com nossos especialistas pelo LinkedIn.

Escreva um comentário